Off

JAVA – Macrotyloma axillare cv. Java

by Gushiken on 20/06/2011

Nome científico: Macrotyloma axillare E.Mey (Verdc)
Cultivar: Java
Cultivar Protegido sob o no: 21806.000348/2004-33 em 29/04/2004
Certificado de Proteção: 00605
Fertilidade do solo: Baixa
Forma de crescimento: trepador volúvel e semi-ereto
Altura: Em torno de 40 cm
Utilização: Em pastejo associado com gramíneas
Digestibilidade: Alta
Palatabilidade: Média a baixa (favorece a persistência na consorciação)
Precipitação pluviométrica: Acima de 900 mm anuais
Tolerância à seca: Boa
Tolerância ao frio: Média
Teor de proteína: 18 a 23% na MS
Profundidade de plantio: 2,0 cm
Ciclo vegetativo: Perene
Produção de forragens: 5 a 9 t/ha/ano de matéria seca
Solos úmidos: Requer solos bem drenados
Consorciação: Com gramíneas, principalmente dos gêneros Brachiaria sp. e Panicum maximum

ORIGEM

O cultivar Java é uma leguminosa híbrida, de ciclo perene, obtida através do cruzamento artificial de dois cultivares de Macrotyloma axillare, realizado em 1999.

Foram cruzados em ambiente controlado, em casa-de-vegetação, os cultivares Archer e Guatá. O primeiro foi lançado comercialmente na Austrália, país que possui uma grande área árida e o segundo cultivar, o Guatá, é um lançamento do Instituto de Zootecnia (IZ) de Nova Odessa-SP.
Este Instituto colaborou com o desenvolvimento deste cultivar, conhecido mundialmente pela sua grande colaboração à pecuária paulista e brasileira, que no ano de 2005 comemorou o seu centenário de fundação.
Deste cruzamento foram selecionados indivíduos superiores, ou seja, plantas com as melhores características morfo-agronômicos. Desta seleção, deu-se início a produção de linhagens ou progênies puras dos genótipos superiores.
Nos anos de 1999 e 2000 foram estabelecidas parcelas experimentais em Álvares Machado-SP, Mirante do Paranapanema-SP e Jateí-MS, para avaliação das linhagens selecionadas.
O IZ auxiliou na avaliação de fixação de nitrogênio e da necessidade de Bradyrhizobium específico para este cultivar. Avaliou ainda o comportamento da Java em presença de nematoides, fungos, bactérias e insetos.

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS

A Java é uma planta perene, herbácea, trepadora volúvel, com ramos de fina pubescência, folhas trifoliadas, com folíolos elípticos de 6,1 cm de comprimento e 3,5 cm de largura, de aparência carnosa e levemente pubescênte em ambas as faces, pecíolos de 5,2 cm, pubescentes, folhas com estípolas e estipelas.

A inflorescência é racemosa com flores de cor amarela pálida esverdeada pedunculada tendo 2 a 6 por inflorescência, com cálice pubescênte, estandarte oblongo e auriculado na base com 13 mm de comprimento e 10 mm de largura, asas tão longas quanto a quilha com cerca de 12 cm de comprimento, vagem de 3 a 5 cm por 6 a 8 mm de largura com pubescência e contendo 7 a 8 sementes de 3 a 4 mm de comprimento por 2,5 mm de largura.

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS

Planta adaptada a clima tropical e subtropical com precipitação acima de 900 mm anuais, sensível a geada, recuperando-se bastante bem após a ocorrência da mesma.

Outra característica importante desta leguminosa é sua boa adaptação a solos de baixa fertilidade, arenosos e ácidos, porém responde muito bem a adubação e em solos de boa fertilidade.
Apresenta palatabilidade média a baixa, fator que auxilia na persistência da leguminosa, principalmente em associações com gramíneas e cresce em qualquer tipo de solo, desde que bem drenados.
Tolera bem a seca e responde a adubação de fósforo e potássio. Planta bastante vigorosa e agressiva, produz flores e sementes durante todo o ano, concentrando o florescimento em junho.
As vagens são deiscentes e elásticas e na maturação “atiram” as sementes às distâncias consideráveis (até 1 m), promovendo uma expansão natural do cultivar na área. O potencial de produção de sementes é em torno de 350 a 500 kg/ha/ano.
A Java produz mais biomassa que o cultivar australiana Archer (5 a 6 t/ha/ano), sendo mais tolerante a ataques de nematoides. Outra importante característica desta leguminosa é a sua classificação como promíscua para Bradyrhizobium, isto é, utiliza-se de qualquer bactéria do solo para fixar nitrogênio.

UTILIZAÇÃO E MANEJO

O principal uso da Java é em associações com gramíneas forrageiras, principalmente as Brachiaria. Há inclusive uso desta leguminosa associada com humidícola, tido como um pasto bastante agressivo e estolonífero.

Não recomendamos o uso da Java como banco de proteína por causa da baixa palatabilidade deste material, fator este que favorece a sua persistência em associações com as gramíneas.
A disseminação de suas sementes e a capacidade de fixar nitrogênio com qualquer bactéria do solo favorece também esta associação com gramíneas. As pastagens consorciadas ou associadas com as leguminosas possuem a vantagem de melhorarem a sua qualidade nutricional, por conta do nitrogênio fixado, mesmo que não haja consumo por parte dos animais.
Caso haja o consumo involuntário pelos animais, uma vez que a Java possui hábito trepador, a dieta consumida pelo animal também aumenta, pois a leguminosa possui maior teor de proteína.
Isso ocorre, por exemplo, com a humidícola que possui cerca de 3% somente de proteína. Quando associamos coma a Java que possui de 18 a 23% de proteína, a dieta dos animais aumenta por causa do consumo da leguminosa, mesmo que seja em pouca quantidade. O teor de proteína consumida pelos animais depende da quantidade ingerida de Java, mas pode atingir facilmente de 6 a 10% nesta associação.

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO

Para o estabelecimento da leguminosa Java em associação com as gramíneas, recomendamos que seja utilizada 4 kg/ha de sementes. Não recomendamos o uso de Java em plantio solteiro, ou seja, como banco de proteína devido a sua baixa palatabilidade.

Estas sementes devem ser misturadas às sementes de gramíneas antes do plantio, procurando uniformizar muito bem esta mistura, para que a germinação seja uniforme e tenha a presença da Java em toda a área.

No caso de se implantar as sementes de Java em um piquete já estabelecido, a recomendação é a seguinte:

  • Promover o sobre pastoreio (“rapar”) da área, rebaixando o máximo possível a pastagem existente. Este procedimento deverá ocorrer antes do período chuvoso.

  • Com a normalização do período chuvoso, com boa intensidade luminosa e calor promover o plantio das sementes de leguminosa nesta área.

  • Este plantio poderá ser feito de várias maneiras. Uma das maneiras é utilizando uma plantadeira de plantio direto. Outra maneira é o plantio manual com a ajuda de uma matraca. Em ambos os casos a profundidade de plantio deverá ser em torno de 2 a 3 cm.

  • A terceira maneira de se promover este plantio é fazendo o plantio a lanço, utilizando-se um aplicador de calcário (ex. Vicon, Lancer, etc) ou mesmo manualmente. Neste caso o plantio deverá ocorrer obrigatoriamente com o solo molhado. A incorporação destas sementes é de suma importância e poderá ser feita através de animais. Com ajuda de dois ou três campeiros, pegue um lote de animais com 300 a 400 kg e caminhe na área sobre as sementes, fazendo com que as patas destes animais incorporem as mesmas.

  • Como o pasto está rapado devido o sobre pastoreio, as plantas irão demorar em rebrotar e este é o tempo necessário para que as sementes da Java germinem, originando novas plantas que transformarão o piquete solteiro em uma área associada.

Quantidade de sementes no plantio:

4 Kg/Ha

 

agrogushi@gmail.com

(67) 9.9950-3262  Vivo

Comments are closed.

Seo Packages