Off

RUZIZIENSIS – Brachiaria ruziziensis

by Gushiken on 20 de junho de 2011

Nome científico: Brachiaria ruziziensis (R. Germ & Evrard)

Cultivar: Braquiária ruziziensis (CIAT 00605, BRA 000281)
Fertilidade do solo: Média a alta
Forma de crescimento: Touceira decumbente
Altura: 1,0 a 1,5 m
Utilização: Pastejo direto, silagem, fenação e cobertura vegetal
Digestibilidade: Boa (50 a 57%)
Palatabilidade: Excelente
Precipitação pluviométrica: Acima de 800 mm anuais
Tolerância à seca: Boa
Tolerância ao frio: Boa
Teor de proteína: 8 a 11% na MS
Profundidade de plantio: 1 a 2 cm
Ciclo vegetativo: Perene
Produção de forragens: 12 a 15 t/Ha/ano de Matéria Seca
Cigarrinha das pastagens: Altamente susceptível
Consorciação: Arachis pintoi, Soja perene, Calopogônio e Java

ORIGEM

Esta forrageira é nativa do Vale Ruzi no Zaire (Congo) e Burundi. A ruziziensis atualmente está difundida em vários países tropicais. As primeiras sementes vieram de Ruanda, que foram estudadas e disseminadas no Quênia, pelo Institut National pour I’étude Agronomique du Congo Belge (INEAC) em Rubona, nos anos 60, daí se espalhou por todo o continente Africano.

As primeiras sementes que chegaram na Austrália (CPI 30623) vieram em 1961 da ilha de Madagascar, da Estación de Agronomia de Lac Alastra, e foram lançadas com o nome comercial “ruzigrass”, no ano de 1966. Provavelmente este tenha sido o caminho percorrido pelas sementes comercializadas no Brasil, as quais vieram da Austrália.

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS

Gramínea perene, rasteira, atingindo até 1,5 m de altura, com rizomas curtos. Colmos decumbentes e geniculados com 3 a 4 mm de diâmetro e dotado de entrenós curtos. Folhas macias com 6 a 15 mm de largura e 10 a 25 cm de comprimento, possuindo aspecto aveludado devido a grande quantidade de pelos nela presente. A inflorescência é uma panícula ereta de 5 a 7 racemos.

Racemos curtos e com fileiras duplas de sementes, ráquilas aladas e bastante largas, tornando-se uma característica que distingue das outras espécies de braquiária. Espiguetas bifloras, sendo a inferior masculina e a superior hermafrodita.

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS

Forrageira de solos de média a alta fertilidade, requerendo boa drenagem e clima de regiões tropicais. Não resiste à geada e em condições ideais suas sementes germinam e estabelecem muito bem. É bastante palatável e bem aceita pelos animais. Porém deve ter cuidado com o pastejo devido essa boa palatabilidade, que pode comprometer a sua rebrota, principalmente se for sobre pastejada (rapada). A qualidade nutricional de sua forragem é muito boa, apresentando de 8 a 11% de proteína na matéria seca.

A ruziziensis apresenta alta susceptibilidade às cigarrinha-das-pastagens (Deois flavopicta  e Zulia entreliana).
Apresenta adaptação climática até 2.000m acima do nível do mar. A temperatura ótima para o crescimento é de 28 a 33oC, sendo afetada por temperaturas baixas e não resistente à geada.

UTILIZAÇÃO E MANEJO

A ruziziensis pode ser indicada para bovinos de recria e engorda. Devido a sua qualidade de forragem, além do pastejo direto, pode ser utilizada para prática de fenação. Quando em pastejo direto, deve-se ter muito cuidado, com a altura de pastejo, evitando a sua degradação.

Devido a algumas características, a ruziziensis, deixou de ser utilizada pelos pecuaristas, principalmente a sua susceptibilidade às cigarrinhas e a baixa capacidade de rebrota, principalmente quando sobrepastejada. Porém, devido a grande capacidade de germinação de suas sementes, principalmente em sobresemeadura, ou seja, plantio em área com outros cultivos (exemplo: em área de soja) e sobre uma cobertura vegetal (palhada para plantio direto), as suas sementes tem sido recomendada por vários técnicos em áreas de plantio direto e em áreas de integração lavoura-pecuária. Diversos agricultores tem utilizado as sementes de ruziziensis, em áreas de cultivo de soja, para cobertura vegetal no período de entressafra da cultura e como pasto para o inverno, mesmo antes da colheita do grão, nos meses de fevereiro e março, utilizando o plantio aéreo, com bons resultados.
A forrageira proporciona excelente cobertura do solo, podendo ser utilizado a área como piquete para os animais durante o período de inverno (entressafra da cultura de soja), e em setembro-outubro as plantas de ruziziensis são “queimadas” com um herbicida a base de glifosato, proporcionado uma boa cobertura (palhada) para o plantio de soja novamente. Informações de produtores citam que a produção de grãos, em área de braquiárias, tem apresentado melhores rendimentos do que a produção de grãos em área exclusivamente agrícola (por exemplo: soja plantada em área de soja).

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO

Recomendações dependendo das condições de plantio:

50 VC% – 10 a 12 Kg/Ha

80 VC% – 6 a 7 Kg/Ha

Revestida – 12 a 14 Kg/Ha

É indicado o uso de 350 a 420 pontos de Valor Cultural (VC)/ha

As condições de plantio referem-se ao preparo de solo, as condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e fertilizado, se há problemas com insetos (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas, etc), se há problemas com a infestação de ervas daninhas, etc.

Estas informações deverão ser obtidas com o proprietário para recomendarmos a quantidade necessária de sementes no plantio, assim como a forma em que será plantada.

Para as áreas destinadas à integração lavoura-pecuária ou áreas cujo objetivo seja a cobertura vegetal (palhada) com a ruziziensis, a quantidade de sementes a serem utilizadas para o plantio, segue o mesmo padrão anteriormente citado.

 

agrogushi@gmail.com

(67) 9.9950-3262  Vivo

Comments are closed.

Seo Packages