Off

ATLAS – Panicum maximum cv. Atlas

by Gushiken on 20 de junho de 2011

Nome científico: Panicum maximum Jacq.

Cultivar: Atlas
Cultivar Protegido sob o no: 21806.000673/2003-15 em 26/05/2003
Certificado de Proteção: 00499
Fertilidade do solo: Alta
Forma de crescimento: Touceira cespitosa
Altura: De 1,5m a 2,0m
Utilização: Pastejo direto e silagem
Digestibilidade: Excelente
Palatabilidade: Excelente
Precipitação pluviométrica: Acima de 800 mm anuais
Tolerância à seca: Muito boa
Tolerância ao frio: Boa
Teor de proteína: 10 a 12% na MS
Profundidade de plantio: 0,5 a 1,0cm
Ciclo vegetativo: Perene
Produção de forragens: 20 a 22 t/ha/ano de matéria seca
Solos úmidos: Baixa tolerância
Consorciação: Todas as leguminosas

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS

É uma planta cespitosa de ciclo perene, com altura entre 1,5 a 2,0m, alto perfilhamento basal, colmo de diâmetro médio, comprimento do internódio curto, colmo com pouca cerosidade, folha apresentando pouca pilosidade na bainha, comprimento da lâmina também médio e de coloração verde-clara. O ciclo de florescimento é médio, com período definido para florescer (florescimento determinado).

ORIGEM

O cultivar híbrido de forrageira Atlas é oriundo de cruzamento artificial, realizado em 1993, em casa-de-vegetação pela Matsuda, cruzando materiais fêmeas sexuadas de Tobiatã com K-68, acesso originário da Costa do Marfim/África, que nunca chegou a ser um cultivar comercial.

Em 1994 foi realizada a seleção de genótipos superiores, em progênies segregantes para apomoxia e sexualidade e no ano seguinte o teste de progênies para separação de progênies para separação de híbridos F1 apomíticos dos híbridos F1 sexuais.
Após esta etapa de seleção, foram montados diversos ensaios regionais em Álvares Machado-SP, Mirante do Paranapanema-SP e Jateí-MS, com o objetivo de selecionar os melhores híbridos F1 apomíticos (que não cruzam), analisando os diversos caracteres morfo-agronômicos e valor nutritivo.
Nos anos de 1998 e 1999 foi avaliada a resistência deste híbrido quanto à resistência ao alumínio (presente em solos ácidos) tanto em condições de laboratório (em soluções nutritivas) como de campo (em solos comprovadamente ácidos com presença de alumínio).
Os dois anos seguintes, o cultivar foi avaliado em testes com animais verificando a capacidade de suporte, resistência ao pisoteio, potencial de rebrota, persistência, tolerância à seca, potencial de produção de sementes, etc.

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS

Como qualquer cultivar de Panicum maximum, o Atlas é exigente em fertilidade de solo, mesmo que tenha boa tolerância à saturação de alumínio no solo. Possui intenso perfilhamento basilar, rebrota vigorosa, boa tolerância à seca e excelente qualidade nutricional.

Apesar de ser obtido através de cruzamento de plantas sexuadas, o cultivar Atlas é apomítica, isto é, não pode ser cruzada e produz sementes viáveis. Isto foi devido à seleção de plantas apomíticas e eliminação das plantas sexuadas.
Nos testes realizados apresentou digestibilidade em torno de 65 a 70% “in vitro”, os teores de proteína variaram em torno de 10 a 12%, com produção de forragem (matéria seca) de 20 a 22t/ha/ano.
O potencial de produção de sementes foi de 600kg/ha/ano com valor cultural em torno de 20%, em uma única colheita.
Até o momento não se verificou nenhum problema com insetos e doenças de importância econômica em áreas de pastagem de Atlas. Por se tratar de cultivar de P.maximum pode ser infestado por Claviceps e Ustilago, afetando a produção de sementes.

UTILIZAÇÃO E MANEJO

Recomendado para bovinos em fase de cria e engorda, assim como para equinos. Devido a sua tolerância ao alumínio do solo, desenvolve bem o sistema radicular, conferindo ao cultivar uma ótima rebrota e bom comportamento na seca.

Em pastejo rotacionado, recomendamos de 1 a 5 dias de pastejo por um intervalo de 28 a 35 dias de descanso, durante o período chuvoso e de 45 a 50 dias no período seco (dependendo das condições climáticas). Evite deixar o pasto muito tempo vedado, principalmente durante o período chuvoso, pois este se torna maduro, fibroso e os animais o refugam devido a baixa palatabilidade e digestibilidade.
A tendência da touceira do Atlas é ir aumentando de diâmetro a cada pastejo ou corte, porque aumenta a quantidade de perfilhos.
O quadro abaixo mostra um ensaio, realizado em 2001/2002, na fazenda MG em Mirante do Paranapanema-SP, região de Cerrado, Latossolo Vermelho Amarelo, com novilhas para se verificar o ganho de peso.

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO

Recomendações dependendo das condições de plantio:

35 VC% – 10 a 12 Kg/Ha

50 VC% – 8 a 10 Kg/Ha

Revestida – 12 a 14 Kg/Ha

Série Gold Matsuda Incrustada –  4 a 5 Kg/Ha

As condições de plantio referem-se ao preparo de solo, as condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e fertilizado, se há problemas com insetos (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas, etc), se há problemas com a infestação de ervas daninhas, etc.

Estas informações deverão ser obtidas com o proprietário ou o administrador, pois são estas pessoas que conhecem melhor a região, para recomendarmos a quantidade necessária de sementes no plantio, assim como a forma em que será plantada.

 

agrogushi@gmail.com

(67) 9.9950-3262  Vivo

Comments are closed.

Seo Packages